Terceira dor de Maria

Março 30, 2020
Fonte: FSSPX Spirituality

A terceira dor de Maria

Jesus perdido no Templo

Para todos os dias :

1 - Oferecer de todo coração um sacrifício de renunciar voluntariamente a algo.
2 - Oração preparatória :

« STABAT MATER »

A piedosa Mãe ficou de pé junto à cruz e chorou enquanto o Filho pendia.

Cuja alma, triste e chorosa, perfurada e dolorosa, tinha uma faca feroz.

Oh, quão triste e aflita estava a Mãe abençoada, cheia de tantos tormentos!

Quando triste contemplava e dolorosa olhava com tristeza a tristeza do amado Filho. E qual homem não choraria se contemplasse a Mãe de Cristo com tanta dor? E quem não ficaria triste, Mãe piedosa, se vos visse sujeita a tanto rigor?

Pelos pecados do mundo, viu Jesus em tão profundo tormento a doce Mãe.

Viu morrer o Filho amado, que entregou seu espírito desamparado ao seu Pai.

Oh doce fonte de amor!, faz-me sentir a tua dor para que chore com contigo.

E que, por meu amado Cristo, meu coração ardente viva mais nele do que comigo. E, porque amá-lo me encoraja, no meu coração imprime as feridas que ele teve em si. E do teu Filho, Senhora, divide comigo agora as feridas que sofreu por mim.

Faz-me chorar contigo e pedir perdão por suas tristezas enquanto eu vivo.

Porque acompanhar desejo na cruz, onde o vejo, teu coração compassivo.

Virgem das virgens santas!, chore já com tanta ânsia, que o doce choro me seja. Para que sua paixão e morte tenha em minha alma, de sorte que sempre veja suas tristezas.

Faz-me apaixonar por sua cruz e viver nela e viva de minha fé e amor.

Porque me inflame e acenda, e contigo me defenda no dia do julgamento.

Faz que a morte de Cristo me proteja, quando a vida e a alma estiverem em aflição tão forte. Porque, quando fique o corpo calmo, vá minha alma para a glória eterna. Amém.

 (Tradução da versão de Félix Lope de Vega e Carpio)

TERCEIRO DIA

Primeira consideração : A terceira dor de Maria, Jesus no templo.

Para contemplar a terceira dor de Maria, o texto do Santo Evangelho nos ajudará bastante: «Passados três dias, encontraram-n’O no templo, sentado no meio dos doutores, a ouvi-los e a fazer-lhes perguntas. (…) Quando viram Jesus, seus pais ficaram admirados; e sua Mãe disse-Lhe: “Meu Filho, porque procedeste assim connosco? Teu pai e eu andávamos aflitos à tua procura”. Jesus respondeu-lhes: “Porque Me procuráveis? Não sabíeis que Eu devia estar na casa de meu Pai?”. Mas eles não entenderam as palavras que Jesus lhes disse. (…) Sua Mãe guardava todos estes acontecimentos em seu coração. »

Imediatamente vem à mente a angústia que a Mãe de Deus teve que sofrer ao procurar seu Filho perdido. A perda de um filho é certamente mais esmagadora. É por alguns minutos, o que será por um, dois e três dias? Mas a perda não foi das mais terríveis. Na verdade, o que feriu de uma terceira espada no coração de Maria foi a possibilidade de que Jesus Cristo já tivesse iniciado a sua dolorosa paixão e que ela não estava ao seu lado para sofrer com ele. A Virgem Maria está pronta para todos os despojos, exceto um, para perder sua colaboração íntima com a obra da redenção, sofrendo com seu amado Filho todos os seus sofrimentos. Ó grandeza e loucura de amor! Por esse motivo e de uma maneira que poderia nos surpreender, a Mãe de Deus usa sua autoridade perguntando a Jesus: “Meu Filho, porque procedeste assim connosco? Teu pai e eu andávamos aflitos à tua procura”. Vamos meditar por um tempo nessa palavra “aflitos” que Maria usa para designar o estado verdadeiro e profundo; não apenas de seu próprio coração, mas também de seu marido. O evangelho aqui se torna o fundamento doutrinário da compaixão de São José.

Segunda consideração : Repercussão no coração de São José.

Neste terrível julgamento da perda do Menino Jesus, São José teve que suportar e oferecer uma tortura tripla. O primeiro veio de seu amor a Deus, e somente os santos sabem o que a alma sofre afastada de seu Criador e Senhor. O segundo veio de seu amor por sua Esposa, que contemplava de maneira inconsolável e inquieta, embora sempre calma e resignada como é a dor autêntica. O terceiro veio de si mesmo. Era como se Deus testasse a fidelidade à sua vocação. Ele é o guardião de Jesus e eis aqui que parece não estar cumprindo ou falhando em seu dever. E se pudéssemos entender algo sobre a pobre alma do santo José perfeito!

E como se tudo isso não bastasse, há esta terrível resposta do Menino Jesus aos seus pais: : “Porque Me procuráveis? Não sabíeis que Eu devia estar na casa de meu Pai?”. É claro que Maria e José sabiam que Jesus tinha que cuidar dos assuntos de seu Pai. Eles sabiam tanto que todas as suas vidas foram destinadas apenas a cumprir a vontade de Deus. Existem vários autores espirituais que dizem que, na realidade, não foi tanto o fato da perda no Templo que seus pais não entenderam, mas a razão da pergunta de Jesus a seus pais. O amor tem algumas leis de purificação que serão convenientes meditar neste mistério para nos oferecermos, a todos os testes necessários para a descontaminação de nossos corações.

Terceira consideração : Nossa compaixão.

Esta última consideração propõem um meio muito prático para compartilharmos também com a terceira dor de Maria, como fez São José. Simplesmente, aceitar todos os testes que não entendemos venham. É verdade que, no nível do combate da fé, é necessário usar da inteligência e razão para não cair nas armadilhas da crise que estamos enfrentando; pelo contrário, quando se trata de sofrimento, a inteligência geralmente não é de grande ajuda. O querer entender por que a dor é sempre uma oportunidade para rejeitá-la, porque o sacrifício sempre terá algo “anti-racional”.

O melhor que temos a fazer é como a conclusão do Evangelho da perda no Templo nos diz: “Mas eles não entenderam as palavras que Jesus lhes disse. (…) Sua Mãe guardava todos estes acontecimentos em seu coração”. Aqui está o grande segredo: o sofrimento não se preserva na memória, nem na inteligência, mas sim no coração, isto é, em nossa faculdade de amar. E melhor que nossos corações, o Coração de Maria será o local mais adequado para preservar nossa dor. São José tem a chave deste Coração, por isso vamos humildemente pedir-lhe. Conservar sem murmurar todas as nossas angústias com Maria ... é aí que começa a verdadeira compaixão.

ORAÇÃO FINAL

1 Pai-nosso, 7 Ave-marias e Gloria.
Rogai por nós Virgem dolorosa / Para que sejamos dignos de alcançar as promessas de Jesus Cristo.

Petição…

Oremos. Ó Deus, que desejaste que em tua paixão, de acordo com a profecia de Simeão, a doce alma da gloriosa Virgem e Mãe Maria fosse transpassada por uma espada, conceda-nos graça, que, celebrando com veneração sua transfixação e paixão, possamos, através da intercessão de os gloriosos méritos de todos os Santos que cercam fielmente a Cruz, obter o feliz efeito de tua paixão. Por Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Amém

Doce Coração Imaculado e Doloroso de Maria / Sede a minha salvação.

São José, primeiro servo e consolador do Coração Imaculado e Doloroso de Maria / Rogai por nós.

São João, primeiro sacerdote e apóstolo do Imaculado e Doloroso Coração de Maria / Rogai por nós.